Álvaro Parente parte do 3º lugar no Mónaco

ACTUALIZAÇÃO: Devido à penalização de Van der Garde, Parente irá partir da 3ª posição.

Álvaro Parente voltou a mostrar o porquê de ser um dos pilotos de competição mais talentosos do panorama internacional ao lutar pela pole-position para a primeira corrida da etapa do Mónaco da GP2 Series, arrancando para a prova de amanhã do quarto lugar da grelha de partida. Continuar a ler

Análise ao fim-de-semana do Mónaco

AParente_Monaco_04

Uma vez mais, um fim-de-semana que tinha tudo para que pudesses alcançar um bom resultado, acabou sem que marcasses qualquer ponto. Podes explicar o que foi que determinou este desfecho?
Álvaro Parente:
Depois de ter conseguido um bom sexto lugar na qualificação, tudo começou a correr mal na primeira corrida ainda antes de esta começar. Na volta de aquecimento, não consegui engrenar a primeira e fiquei parado na grelha de partida. Isto implicou que não pudesse aquecer convenientemente os meus pneus, dado que tive recuperar a minha posição, o que foi determinante para o arranque.
Não parti muito bem e perdi um lugar para o Jerôme d’Ambrosio que passei a atacar imediatamente ao longo das sete voltas seguintes. Porém, no Mónaco é muito complicado ultrapassar e os meus pneus começaram a degradar-se rapidamente, mas continuava no sétimo posto.
Depois da paragem nas boxes caí para fora dos pontos e, na tentativa de recuperar o oitavo lugar, acabei por roçar ligeiramente numa barreira – ainda antes do despiste do Luca Filippi – e isso provocou o meu abandono. Julgo que permaneci demasiado tempo em pista com os pneus muito desgastados e isso foi determinante para que regressasse das boxes fora dos oito primeiros. Ainda tentei pedir para entrar mais cedo, mas o rádio não estava a funcionar correctamente.

Podes explicar qual é o processo que leva a que se decida uma estratégia para a primeira corrida de um programa de GP2?
Álvaro Parente:
Temos uma reunião com os engenheiros da Ocean Racing Technology para discutir as estratégias para a primeira corrida. Abordamos diversas possibilidades, analisamos inúmeras opções até alcançarmos uma conclusão. No entanto, é preciso ter em atenção aquilo que se passa em pista para que possamos maximizar cada situação. Por exemplo, ao ficar atrás de um piloto muito lento, pode mudar toda a estratégia.

O que foi que motivou a escolha de uma estratégia que passava por te manter em pista bastante tempo antes da tua paragem para troca de pneus?
Álvaro Parente:
Ao parar muito tarde, tínhamos como objectivo poder rodar o máximo de tempo possível no ar limpo, de modo a podermos ficar em vantagem relativamente aos pilotos que parassem mais cedo e pudessem ficar presos atrás de carros mais lentos. Mas acabei por ficar sem pneus e, devido ao problema com o rádio, impedido de comunicar com a box. Quando os tempos começaram a demonstrar isso, já foi tarde de mais e suficiente para cairmos na classificação.

À semelhança do ocorrido em Barcelona, terminaste o fim-de-semana do Mónaco sem qualquer ponto, apesar de ser notório que tinhas andamento para rodar entre os seis primeiros. Qual é o teu estado de espírito após a segunda ronda do campeonato?
Álvaro Parente:
É claro que o meu estado de espírito não pode ser o melhor, depois de mais uma prova em que demonstrei andamento para me bater pelos pontos e de ter abandonado o Mónaco em branco. Tenho que encarar estes resultados de forma a tornar-me mais forte para que lute pelas posições cimeiras nas restantes provas com a ajuda da Ocean Racing Technology. O problema da GP2 é que o fim-de-semana se resolve na primeira corrida e, infelizmente, tenho tido alguns azares que me condicionaram as corrida do domingo. No entanto, estou certo de que tudo vai rapidamente voltar ao normal e vou poder materializar a performance que tenho obtido.

Um furo termina com a recuperação de Álvaro Parente

AParente_Monaco_03

A segunda corrida de GP2 do programa do Grande Prémio do Mónaco foi, uma vez mais, madrasta para Álvaro Parente que abandonou com um furo, quando já tinha ultrapassado dois pilotos.

A prova de hoje estava comprometida pelos problemas de sexta-feira, dado que o piloto português arrancava do décimo oitavo posto, o que tornava numa missão impossível alcançar os pontos.

No entanto, o jovem do Porto, como é seu hábito, atacou desde o início, protagonizando duas boas ultrapassagens em pista – uma a Edoardo Mortara e outra a Kamui Kobayashi – apesar das dificuldades que o traçado monegasco coloca a este tipo de manobras. “Não arranquei bem e perdi um lugar na primeira curva, mas subi duas posições com os problemas dos outros. Na quinta volta ultrapassei o Mortara e na seguinte o Kobayashi. O carro estava bem equilibrado e permitia-me atacar”, frisou o piloto apoiado pela Soccerade, Delta, TMN, Aurora Group, Geotur e Cision.

Mas o azar voltaria bater à porta de Álvaro Parente, dado que um furo lento, provocado por um toque de que foi vítima logo no início, obrigou-o a rumar às boxes quando estavam cumpridas dezasseis voltas, acabando por abandonar. “Estava a dar o meu máximo, a tentar recuperar o máximo possível para poder beneficiar de qualquer problema entre os pilotos da frente. Mas o carro estava a ficar cada vez mais difícil devido a um furo lento e não valia a pena continuar”, apontou o jovem da Ocean Racing Techonolgy.

Uma mais vez, o português de vinte e quatro anos mostrou que é um dos melhores pilotos do plantel, mas um conjunto de factores obrigou-o a abandonar o Principado sem qualquer ponto. “Nada nos correu bem aqui no Mónaco, mostrámos que temos capacidade para nos bater pelas posições cimeiras, mas alguns pormenores impediram-nos de concretizar o nosso andamento em resultados. É frustrante, mas não podemos desistir e temos que trabalhar ainda mais para ultrapassarmos esta fase má”, salientou Álvaro Parente.

O Circo da GP2 ruma agora para Istambul, onde terá lugar a quinta e sexta corridas da temporada, esperando-se que na ronda turca o portuense possa, finalmente, transformar a performance que tem evidenciado em boas classificações.

Álvaro Parente abandona com os pontos ao seu alcance

AParente_Monaco_02

Álvaro Parente não foi feliz na primeira corrida de GP2 do programa do Grande Prémio do Mónaco, abandonando após uma prova conturbada que lhe poderia ter dado os seus primeiros pontos da temporada.

O jovem do Porto abordava a corrida desta manhã com justificadas expectativas, uma vez que arrancava do sexto lugar da grelha de partida. A partida não correu da melhor forma, dado que perdeu um lugar para Jerôme d’Ambrosio mas, ao manter-se na sétima posição, as suas possibilidades de terminar entre os oito primeiros permaneciam intactas.

Porém, tudo se começou a complicar com a sua paragem nas boxes para troca de pneus demasiado tardia, perdendo dois lugares, o que o deixava fora dos pontos. Com o espírito guerreiro que o caracteriza, Álvaro Parente passou a atacar o oitavo classificado, tentando suplantá-lo de todas as formas. No entanto, ao raspar ligeiramente nas barreiras, fragilizou o triângulo superior da suspensão traseira esquerda, optando por abandonar por questões de segurança. “Foi uma corrida frustrante, podia ter alcançado os meus primeiros pontos do ano, mas tudo correu mal – até o microfone do meu rádio deixou de funcionar correctamente. Depois de ter caído para o nono lugar tinha que atacar para tentar, pelo menos, subir ao oitavo posto. Acabei por dar um ligeiro toque, que foi fatal. Estou bastante desapontado com este resultado, mas as corridas são assim, tenho que continuar a dar o meu máximo”, afirmou o piloto apoiado pela Soccerade, Delta, TMN, Aurora Group, Geotur e Cision.

O resultado da prova de amanhã está já comprometido pelo desfecho da corrida de hoje, sendo muito complicado ao português de vinte e quatro anos alcançar qualquer ponto. Contudo, Álvaro Parente garante que vai atacar da mesma forma que o faria, caso estivesse a lutar pelos lugares cimeiros. “Amanhã será um dia muito complicado, dado que é muito difícil recuperar lugares no Mónaco e, ao arrancar do décimo oitavo posto da grelha de partida, qualquer esperança em alcançar alguns pontos desvanece-se. Vou dar o meu melhor e aproveitar para rodar com o carro”, sublinhou o piloto da Ocean Racing Tecnhology.

A prova de amanhã terá o seu início às 15 horas, hora de Lisboa, sendo transmitida em directo pela Sport TV3.

Última volta eleva Álvaro Parente ao 6º lugar

AParente_Monaco_01

Álvaro Parente assegurou o sexto lugar da grelha de partida para a primeira corrida de GP2 do Mónaco, após uma qualificação difícil em que o tráfego foi uma constante, impedindo o jovem da Ocean Racing Technology de poder exibir o andamento que estava ao seu alcance.

Já era de esperar que os vinte e seis carros que compõem o plantel da GP2 criassem alguns problemas aos pilotos no exíguo traçado monegasco e foi o que aconteceu a Álvaro Parente que viu a maior parte das suas voltas prejudicadas por carros mais lentos.

Era notório que o jovem da Ocean Racing Technology tinha andamento para entrar confortavelmente dentro do top-10, mas acabava sempre com um tempo aquém do seu potencial devido à interferência de terceiros. Só nos derradeiros instantes da sessão conseguiu realizar uma volta limpa, o que lhe permitiu ascender ao sexto posto da grelha de partida. “O carro parece estar bem equilibrado, mas o tráfego aqui no Mónaco é preponderante para se poder obter um bom registo. Sempre que ia para a pista encontrava um piloto lento e os meus tempos reflectiam isso mesmo. Na última volta apanhei a pista livre e, mesmo com os pneus completamente gastos, ataquei ao máximo. Cometi três pequenos erros, que me impediram de realizar um tempo ainda melhor mas, mesmo assim, conquistei o sexto lugar, o que considero ser um bom resultado”, afirmou com satisfação o piloto apoiado pela Soccerade, Delta, TMN, Aurora Group, Geotur e Cision.

Ao arrancar da terceira linha da grelha de partida as perspectivas para a corrida de amanhã são boas, estando Álvaro Parente em condições de marcar os seus primeiros pontos da temporada, apesar da exigência do circuito do Mónaco colocar algumas dificuldades que poderão ser decisivas para o resultado final. “Penso que, ao partir do sexto lugar, tenho fortes possibilidades de alcançar uma boa posição na corrida de amanhã. No entanto, esta pista é pródiga em incidentes e o arranque será muito complicado, dado que, por vezes, existem pilotos que arriscam tudo na partida. Vou dar o meu máximo para rodar num ritmo competitivo e para evitar incidentes, só assim poderei manter-me entre os primeiros lugares, sendo as paragens nas boxes igualmente importantes”, frisou o jovem do Porto.

A prova de amanhã terá o seu início às 10h15, hora de Lisboa, sendo transmitida em directo pela Sport TV1.

Álvaro Parente quer recuperar no Mónaco

Álvaro Parente disputará no próximo fim-de-semana a segunda ronda da temporada de GP2, a realizar no Mónaco, um circuito que trás boas memórias ao piloto português e onde pretende alcançar bons resultados.IMG_9414

Continuar a ler